NTI
Menu
NTI

NTI

Website URL:

Mais de 300 operários trabalham para entregar o Abelardo Santos até maio de 2018

Mais de 300 operários estão em ação em um trabalho simultâneo em todos os andares para garantir a entrega do maior hospital público da Região Metropolitana de Belém no primeiro semestre de 2018. O Hospital Abelardo Santos, em Icoaraci, beneficiará cerca de 1,2 milhão de pessoas com 269 novos leitos.

O Abelardo Santos é um dos seis novos hospitais públicos que estão sendo construídos em diversas regiões do estado. São unidades consideradas estratégicas para cada região que vai recebê-las, totalizando 800 novos leitos e investimentos de cerca de R$ 540 milhões. O objetivo do governo é ampliar e descentralizar o atendimento na rede pública, melhorando a assistência à população em todo o Pará.

O Abelardo Santos terá dez andares e está sendo construído com recursos de cerca de R$ 196 milhões do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Entre os serviços que serão oferecidos estão urgência e emergência, clínica pediátrica e cirúrgica, traumatologia, terapia renal, unidade de transplante, maternidade, Unidades de Tratamento Intensivo (UTIs) infantil e adulto e centro cirúrgico com cinco salas.

“Todos os andares estão sendo trabalhados simultaneamente. No momento estamos realizando as instalações elétricas para posteriormente liberar os acabamentos, que é a fase final da obra”, explica o engenheiro Marcílio Fusco, gerente de Obras. A previsão, explica, é que a obra seja entregue até o final de maio de 2018. Marcílio também explica que as obras estão gerando mais de 400 empregos diretos e indiretos na região.

“No pavimento térreo serão localizados os ambulatórios com atendimento de ortopedia, oftalmologia e emergência médica. No primeiro pavimento teremos os centros cirúrgicos e o segundo andar com um pavimento técnico onde ficarão os equipamentos que darão manutenção ao hospital. No terceiro pavimento ficarão as áreas de Unidade de Terapia Intensiva e do quinto para cima ficarão os leitos”, explica o engenheiro.

Obras no interior

Cinco importantes hospitais de grande e médio porte que tiveram os serviços paralisados em função da crise já estão com as obras a todo vapor: Castanhal (230 leitos) e Capanema (58 leitos), no nordeste do Pará, e Itaituba (160 leitos) no sudoeste, ganharão, cada um, seu Hospital Regional.

O governo também já está finalizando e deve entregar ainda este ano as obras de reforma e ampliação do Hospital Municipal Santa Rosa, em Abaetetuba, que terá 72 leitos, e do Hospital Materno Infantil de Barcarena, com 30 leitos.

“As obras no Hospital Regional de Itaituba estão em grande desenvolvimento, com aproximadamente duzentos homens distribuídos em várias frentes e atividades como rede de gazes, elétrica e também no revestimento. Ou seja, estamos com 35% de avanço físico nas obras, que deverão ser concluídas de maio para junho de 2018”, explica o engenheiro civil Paulo Marques, fiscal da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Urbano e Obras Públicas (Sedop).

Por Márcio Flexa

Governo e prefeituras discutem políticas integradas para RMB

            Planejamento e Gestão da Região Metropolitana de Belém (RMB) e as adaptações ao Estatuto da Metrópole. Este foi o tema central de uma nova reunião técnica ocorrida, na manhã desta quinta-feira (09), entre governo do estado e representantes das sete prefeituras que formam a RMB – Belém, Ananindeua, Marituba, Santa Bárbara, Benevides, Santa Isabel e Castanhal. O trabalho é coordenado pela Secretaria de Estado de Desenvolvimento Urbano e Obras Púbicas (Sedop), que desde 2015 vem dialogando com os representantes desses municípios, que têm até janeiro de 2018 como prazo final para entregar o Plano de Desenvolvimento Urbano Integrado - PDUI, com modelo de gestão compartilhada entre as respectivas prefeituras.

Num auditório lotado, o secretário de Obras, Ruy Mendonça, deu as boas vindas aos participantes e reforçou o papel da Sedop como responsável técnica no estado pela elaboração do plano de trabalho com as prefeituras. A diretora de Planejamento Metropolitano da Sedop, Helena Tourinho, destacou que esse é o momento de ouvir os municípios para definir o modelo de planejamento e financiamento dessa gestão compartilhada. “As Funções Públicas de Interesse Comuns (FPICs) como, por exemplo, a questão do transporte urbano e do lixo, precisam ser definidas e compartilhadas pelos municípios que formam a RMB. O Estatuto nos obriga a fazer o Plano, sob pena dos gestores serem passivos de improbidade administrativa”, observou.

O Estatuto da Metrópole foi criado através da Lei federal 13.089, de 12 de janeiro de 2015, com diretrizes gerais de planejamento, gestão e a execução das Funções Públicas de Interesse Comuns – FPICs. Além de informar sobre os trabalhos desenvolvidos pela Sedop, os participantes também receberam os resultados preliminares dos estudos de delimitação da RMB, além de análises técnica, jurídica e contribuições à minuta do projeto de Lei complementar à RMB. Esses documentos vão nortear as decisões das prefeituras que deverão apresentar, até o final deste mês, suas propostas e contribuições para elaboração do Plano de Desenvolvimento Urbano Integrado (PDUI) da Região Metropolitana de Belém.

 

 

Por Marlicy Bemerguy

Valorização do servidor estadual passa pela revitalização de prédios públicos

Além do conforto para quem utiliza os serviços ofertados à população, a entrega das novas instalações de prédios públicos pelo governo do Estado garante a valorização e melhoria da qualidade de vida e de trabalho dos servidores que desempenham suas funções nestes locais. É o caso das novas sedes do Instituto de Terras do Pará (Iterpa), que funcionará na avenida Augusto Montenegro, e do Instituto de Gestão Previdenciária do Estado (Igeprev), que está em fase de conclusão e será inaugurada em novembro, na avenida Alcindo Cacela, bem como das Unidades Integradas Pro Paz no interior do Estado.

No Iterpa, o processo de mudança da atual para a nova sede já está em andamento. Do prédio sediado no bairro de São Brás, que já não tinha mais espaço para comportar a demanda de pessoal e estrutural do órgão, os serviços do instituto serão transferidos para amplas e modernas instalações na avenida Augusto Montenegro. No terreno, localizado no quilômetro 9, em frente à Celpa, funcionava anteriormente a antiga sede da Fundação de Atendimento Socioeducativo do Pará (Fasepa). O espaço foi totalmente reformado e adaptado para a nova destinação.

Três blocos foram revitalizados, ganharam nova pintura, divisórias, além de serviços elétricos e hidráulicos. Um bloco novo, de três andares, foi projetado para abrigar o arquivo fundiário e a cartografia. A mudança de local era uma demanda antiga da autarquia, que precisava implementar avanços na área tecnológica para atender melhor os usuários dos serviços do instituto e agilizar o processo de regularização fundiária no Pará.

O motorista Fábio Gomes é lotado no Iterpa há oito anos e comenta que as novas instalações vão garantir mais conforto tanto para os servidores quanto para os agricultores que utilizam os serviços do órgão. “O novo prédio é muito bem estruturado, as condições de trabalho são bem melhores. Quem desempenha suas atividades em uma estrutura como esta se sente mais valorizado e determinado a colaborar com o crescimento do órgão e com um melhor atendimento à população”, comenta.

A servidora Maria Heloisa Leal, que integra o quadro do Iterpa há 31 anos, também não esconde a satisfação com o novo local de trabalho. “Este foi um passo muito importante dado pela direção do órgão. O espaço anterior era pequeno, diferente deste, onde cada servidor terá sua própria mesa, além de um ambiente mais confortável e apropriado. Todos os servidores foram beneficiados com esta mudança”, comenta.

Servidora há 10 anos, Maricele Flexa, ressalta os benefícios que virão com a mudança para o novo prédio, entre os quais a melhoria na dinâmica de trabalho, organização dos setores e divisão de departamentos por especificidade. “Além de trazer mais conforto, isso vai propiciar agilidade nos processos de regularização fundiária", diz ela, destacando também os reflexos no desempenho dos servidores. "É inevitável que a gente se sinta mais valorizado quando dispõe de um ambiente agradável bem estruturado para trabalhar. Isso repercute diretamente na qualidade do serviço que é prestado, pois ele é feito com satisfação”, comenta.

Prédio sustentável – O novo prédio do Instituto de Gestão Previdenciária do Pará (Igeprev), que será entregue no final de novembro, além de moderno e confortável traz um novo conceito de sustentabilidade.

O projeto arquitetônico prioriza o aproveitamento da iluminação natural (diminuindo necessidade de iluminação artificial) e da água da chuva, que será armazenada em uma caixa d'água para reutilização em descargas não potáveis, como jardins e bacias sanitárias. Em toda a extensão do prédio serão utilizadas lixeiras recicláveis para coleta seletiva e destinação correta dos resíduos. Além disso, ele prevê uma logística mais eficiente e ágil para a tramitação dos processos com maior integração entre os setores internos.

O engenheiro Sérgio Paixão, diretor de Fiscalização da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Urbano e Obras Públicas (Sedop), destaca que os serviços do Igeprev são direcionados exclusivamente para os servidores públicos que estão se aposentando, que são pensionistas ou beneficiários do governo do Estado. “O novo prédio tem capacidade para atender uma média diária de 300 usuários, que passarão a contar com um ambiente confortável, amplo e climatizado, projetado para garantir o conforto tanto do público externo como dos servidores ali lotados."

Ele ressalta que este conceito arquitetônico já vem sendo utilizado em todos os novos prédios do governo do Estado. “São todos projetados com ambientes amplos, refrigerados, concebidos com base em princípios ergonômicos para garantir ao servidor e aos usuários maior conforto e comodidade”, comenta.

“É grande a nossa expectativa para essa mudança. É um espaço novo, reformulado, todo pensado para os nossos beneficiários e para o conforto dos nossos servidores. Estamos muito felizes por termos participado da elaboração desse projeto. Nós já gostávamos do que fazíamos e, agora, com todas essas melhorias, esse trabalho vai ficar melhor ainda”, comenta a servidora Eudézia Martins D’Ângelo.

Espaços de cidadania – Com o objetivo de prestar à população serviços integrados relacionados à segurança e serviços sociais, o Governo do Pará já inaugurou 63 Unidades Integradas Pro Paz (UIPP) desde 2011.

O projeto do Executivo Estadual é construir 80 UIPPs em todo o estado. As próximas a serem inauguradas serão as unidades dos municípios de Água Azul do Norte, Brejo Grande do Araguaia, Faro, Gurupá e Mocajuba. Até o final do ano, o governo deve chegar à marca de 75 UIPPs entregues.

Para o diretor de Polícia do Interior, delegado Silvio Maués, a reestruturação que vem sendo feita na área de segurança pública constitui uma verdadeira revolução. A maioria das unidades policiais existentes hoje no Estado foi construída ainda na década de 70 e já não oferecia condições para a realização de um trabalho condigno, nem no tocante ao desempenho dos servidores e tampouco no atendimento à população.

“As delegacias são espaços de cidadania. E as novas UIPPs foram planejadas para atender as necessidades do público dentro desse contexto da filosofia de integração da segurança pública do estado, além de disporem de uma estrutura voltada para a melhoria da qualidade do trabalho do servidor enquanto ele estiver em seu ambiente ocupacional”, argumenta, citando como exemplo os alojamentos destinados ao descanso dos policiais em seu horário de recesso. “O servidor que se vê prestigiado, valorizado, tende a devolver esse incentivo à população e ao contribuinte sob a forma de serviços com melhor qualidade”, conclui.

Por Márcio Flexa 

Marabá recebe investimentos do Governo do Estado em diversas áreas

A forte vocação mineral e agrícola de Marabá faz do município, com mais de 270 mil habitantes - a quarta maior população do Estado -, o principal centro socioeconômico do sudeste paraense. E, assim como em outras regiões, mesmo em um período em que a economia nacional anda a passos lentos, o Governo do Estado investe em obras que contribuem para o desenvolvimento e asseguram melhores condições de vida para a população.

E para fomentar ainda mais o lado empreendedor e de negócios na região, até o final deste ano a cidade vai receber um grande Centro de Convenções e Eventos. As obras já estão na fase de acabamento e finalização de urbanização e paisagismo da área externa do empreendimento, localizado na rodovia Transamazônica, no bairro Nova Marabá.

“Estamos com cerca de 95% da obra pronta. Tivemos um prolongamento nos prazos em função de algumas melhorias no projeto, para dar mais conforto e reforçar a capacidade de receber diversos tipos de eventos. Este será o segundo maior do Estado, ficando atrás somente do Hangar, em Belém. Já estamos com toda a estrutura e instalações de esgoto e elétricas finalizadas. Muito em breve o espaço será entregue à população”, afirmou Flávio Bentes, engenheiro da obra.

Ao todo, são 13 mil m² de área construída em um terreno de mais de 33 mil m². O Centro de Convenções vai abrigar quatro grandes espaços, entre eles um para feiras, com 4.800 m² e capacidade para abrigar mais de 10 mil pessoas em pé. Possui palco fixo de 200 m², dois camarins, copa, banheiros e toda a estrutura necessária para abrigar grandes eventos. Já o segundo bloco abriga a área administrativa do espaço, no andar superior, e no térreo, a praça de alimentação, restaurante e lanchonete climatizados.  

O terceiro prédio contempla um teatro com mil lugares e uma sala multiuso de mil metros quadrados com capacidade para 400 pessoas que pode ser subdividida em dez espaços menores, com 40 poltronas cada. Já o quarto espaço é dedicado a um auditório com capacidade para 520 pessoas, sendo que este poderá subdividir-se em cinco células de 104 lugares cada, com divisórias removíveis, isolamento acústico, além de palco e área de circulação, além de um amplo estacionamento.

“Cerca de 12 mil pessoas poderão usufruir dos espaços, já que todos poderão ser utilizados de forma simultânea”, explicou Flávio Bentes. “É um empreendimento que vai mexer com a economia local, uma obra que traz grandes novidades para a região até então nunca vistos”, acrescentou o engenheiro.

Marabá é o maior município da região Araguaia-Tocantins. Segundo o secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia, Adnan Demachki, a cidade possui uma localização estratégica em todos os modais – rodoviário, ferroviário e hidroviário - e está localizada em uma região com grande potencial nas áreas mineral e agronegócio, que podem ser potencializadas com o novo empreendimento.

“O Centro de Convenções vai induzir o turismo de negócios e eventos, assim como o Hangar, em Belém. E nós sabemos o que isso impactou positivamente na geração de empregos e serviços na área de hotelaria e de alimentação. Marabá vai ter essa oportunidade, inclusive com a expectativa de melhoria da oferta de voos que, com a crise, foram reduzidos pelas companhias aéreas em todo o Brasil. Mas, havendo grande demanda, e aí o Centro de Convenções vai ajudar nesse sentido, com certeza voos novos serão criados”, avaliou o titular da Sedeme.

Educação

Além da área de infraestrutura e negócios, a educação no município também ganha atenção especial. O bloco de saúde do campus da Universidade Estadual do Pará (Uepa) também está com as obras em fase de finalização.

Para a coordenadora do Campus VIII, Danielle Monteiro da Costa, este é um sonho que se torna realidade para toda a comunidade acadêmica. “Com o novo bloco vamos praticamente duplicar o nosso espaço físico, que vai beneficiar aproximadamente 250 alunos de oito turmas dos cursos de medicina, biomedicina e engenharia florestal”, comemorou.

O prédio de três pavimentos foi construído em um terreno de 1.600 m² e possui 12 salas de aulas gerais e mais seis para tutoria, além de espaço para as coordenações dos cursos de graduação; professores, reunião, informática; laboratórios, uma piscina, entre outros. O local também possui elevador e estrutura adaptada para pessoas com deficiência física.

Segundo a coordenadora, com o novo espaço será possível aumentar o número de vagas no curso de medicina. “Estamos aguardando ansiosamente o espaço para que possamos acomodar as turmas que já existem e aumentar o número de ofertas de vagas em medicina, de 20 alunos atualmente para 40, como prevê o Projeto Pedagógico do Curso”, afirmou Danielle Costa.

No Campus funcionam 30 turmas de graduação e uma de pós-graduação, que juntas contabilizam mais de 900 alunos divididos nos turnos da manhã, tarde e noite. O novo prédio vai criar um cenário favorável para a ampliação da oferta de cursos no Campus. “O espaço foi projetado inclusive para ofertar cursos como fisioterapia e enfermagem. Estamos também com o concurso para docente em andamento, então a gente tem grandes expectativas que em breve a UEPA Campus Marabá vai ofertar novos cursos na área da saúde”, pontuou.

O Concurso Público para o cargo de professor efetivo da instituição foi aberto no mês de agosto e destina-se ao preenchimento de 45 vagas para o Magistério Superior, na categoria de professor auxiliar.

Atendimento ao Adolescente

Outra obra que está em andamento é a do Centro de Internação do Adolescente Masculino (CIAM), da Fundação de Atendimento Socioeducativo do Pará (Fasepa). O espaço terá a sua capacidade de atendimento ampliada com a reforma e construção de alojamentos mais espaçosos e arejados e uma quadra de esportes coberta que já foram finalizados, tudo seguindo as normativas do Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo (Sinase). Com cerca de 85% das modificações finalizadas, o próximo passo é a revitalização da área administrativa para dar mais conforto e comodidade para os usuários.

Hoje a Unidade atende a demanda de 36 municípios da região do Carajás e do Lago de Tucuruí. Com a revitalização do prédio, a unidade irá melhorar o acolhimento de adolescentes que cometeram ato infracional. “Antes o espaço para provisórios atendia 18 meninos e agora vai passar a colher de forma adequada 36. Dos sentenciados que estão em Belém, atendíamos uma demanda de 20 e agora vamos poder receber 42. Tudo dentro do que é previsto no Sinase, contemplando um espaço mais humano que atenda adequadamente as necessidades para se cumprir uma medida de privação de liberdade”, afirmou Luciléia Cardoso Cavalcante, diretora do Ciam.

Na unidade são desenvolvidas várias atividades esportivas e pedagógicas, com oferta de Educação de Jovens e Adultos (EJA) e ensino médio por meio da parceria com a Secretaria de Estado de Educação (Seduc). Os internos também participam de cursos de artesanato e profissionalizantes oferecidos pela Fasepa, além de oficinas de teatro, música, percussão e artes em geral.

“Tudo isso faz parte de um atendimento psico-sócio-pedagógico. Dentro da privação de liberdade o adolescente precisa estar mais tempo fora do seu alojamento em atividade, para que eles realmente ressignifiquem os caminhos e possam visualizar outra vivência fora da unidade, fora do ato infracional”, destacou Luciléia Cavalcante.

Com o trabalho desenvolvido no local o número de reincidentes é mínimo. “Quanto mais você garante atividades, mais você dá oportunidade para que eles não retornem ao ato infracional. Os poucos que temos geralmente são aqueles que não possuem retaguarda familiar. Trabalhamos com uma equipe multidisciplinar com psicólogos, assistentes sociais, pedagogos, professores de várias áreas, entre outros para dar o suporte que precisam”, finalizou Luciléia Cavalcante.

Saneamento básico

O município recebeu, ainda, importantes obras que garantem saúde e qualidade de vida para a população. A Companhia de Saneamento do Pará (Cosanpa) finalizou recentemente a construção da Estação de Tratamento de Esgoto Sanitário (ETE), um moderno sistema de saneamento básico com capacidade para atender de 86.000 habitantes.

O sistema consiste na coleta e tratamento, por meio de filtragens, dos dejetos da rede de esgotamento sanitário de residências. Ao final do processo, a água retorna à natureza livre de impurezas. A Companhia está na fase de implantação das ligações intradomiciliares.

“Estamos conscientizando a população da importância de se integrar ao sistema para garantirmos o tratamento adequado desses resíduos e assim garantirmos mais saúde a todos”, destacou Paulo Barbosa, gerente regional da Cosanpa. Entre os bairros beneficiados estão o Amapá, Novo Horizonte e todo o núcleo da Nova Marabá.

A primeira etapa da Estação representa um investimento de mais de R$ 117 milhões, parte com recursos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), através de empréstimo junto ao FGTS no valor de R$ 78,20 milhões, e mais R$ 38,97 milhões do Tesouro do Estado.

Por Lidiane Sousa

 

Subscribe to this RSS feed

Institucional

Acessibilidade

Imprensa

Interno

Telefone

  • Geral
  • 3183-0020

tüvtürk randevuYouJizz